Uma equipe de cientistas da Cidade do Cabo, na África do Sul, conseguiu reviver o quaga, um parente próximo da zebra, que estava extinto há mais de cem anos.

Como a zebra, o quaga também possui o pelo listrado, embora somente na parte frontal do seu corpo. Sua traseira não é branca, mas de cor café. Essa espécie animal vagava em grandes rebanhos pelo território sul-africano, até que os colonizadores europeus dizimaram sua população. O último espécime conhecido morreu por volta de 1880. Mas hoje, graças à tecnologia do DNA e à criação seletiva, os cientistas conseguiram ressuscitar a espécie.

Quagga in enclosure 1 - Extinta há 100 anos, prima da zebra está de volta à vida

O milagre científico foi realizado por especialistas do chamado Projeto Quagga, liderado por Eric Harley, professor da Universidade da Cidade do Cabo. Sobre o assunto, o cientista afirmou que a chave foi a genética do animal, cujo estudo através das peles de quaga ainda existentes permitiu hibridizá-lo com uma subespécie da zebra-da-planície.

Essa informação também permitiu a conclusão de que os genes característicos dos quaga certamente estavam presentes na zebra, de modo que, por meio da criação seletiva, seria possível obter novos espécimes por engenharia reversa. E foi assim que aconteceu: a cada novo grupo de potros, as características da espécie extinta começaram a se manifestar.

O desenvolvimento do projeto seguiu essa previsão. E, de fato, no decorrer de 4 ou 5 gerações, vimos uma redução progressiva das listras e, recentemente, um aumento na cor café da traseira, o que mostra que nossa ideia original era, na verdade, correta, afirma Harley.

Comentários

Comentários

Share.